Buscar
  • Pr√™mio Margem de Fotografia

RICARDO MESQUITA - "DOBRAS"

ENSAIO FINALISTA ūüŹÜ

PRÊMIO MARGEM DE FOTOGRAFIA 2020




Sobre o autor: "Me chamo Ricardo Mesquitta, 32 anos, sou Fot√≥grafo e Psicanalista nascido e residente em Nata/RN. Minha hist√≥ria com a fotografia √© recente, fotografo desde o final de 2019 e tenho encontrado no ato fotogr√°fico uma via de catarse e simboliza√ß√£o. Tenho me debru√ßado sobre o estudo dos corpos em estados de performance, partido da ideia de que estamos todos em constante ato perform√°tico inconsciente. Ao fotografar pessoa, convido esses indiv√≠duos a experimentar uma rela√ß√£o mais intima com seus corpos, numa tentativa de expandir a forma como enxergam e se relacionam com os mesmo, questionando padr√Ķes e imposi√ß√Ķes que tanto adoecem a sociedade e as rela√ß√Ķes humanas."


Sobre o ensaio: "A s√©rie 'Dobras' faz parte do projeto fotogr√°fico ‚Äúcorpos em autorretrato‚ÄĚ, (em desenvolvimento), onde procuro explorar atrav√©s da fotografia uma rela√ß√£o auto er√≥tica onde a pele constitui-se de campo de negocia√ß√£o para a expans√£o das fronteiras entre o belo e o feio, entre o desejo e o estranhamento. Fot√≥grafo e modelo estabelecem uma barganha, e na aus√™ncia de adornos de vergonha e idealiza√ß√Ķes, o corpo revela a beleza de seus sulcos, seus vincos e suas dobras, que justapostas performam camadas desobedientes que se amotinam contra a comum condena√ß√£o ao aviltamento e as sombras. Trazido a luz esse corpo se constitui como terreno tenro aos afetos outros. O peso do corpo, o efeito do tempo e da gravidade j√° n√£o s√£o anteparos, mas se configuram como zonas de troca, de identifica√ß√£o, de contato. Um convite singelo ao encontro profundo consigo mesmo, capaz de reconectar jun√ß√Ķes, num epin√≠cio ao amor narc√≠sico, √ļnico capaz de libertar o corpo marginalizado dos efeitos do escarnio p√ļblico."